Bolsonaro dirá na ONU que foi bem na pandemia e que Brasil alimenta o mundo

Política / Mundo

Foto: Isac Nóbrega/PR
0 226

Em um discurso gravado ainda na semana passada, ele deve defender que o país não só teve um bom desempenho doméstico na crise sanitária como garantiu a segurança alimentar de um bilhão de pessoas ao redor do mundo graças ao agronegócio nacional, alvo real daqueles que criticam a atual gestão ambiental brasileira, segundo a interpretação do governo.

Condução da pandemia

Com mais de 4,5 milhões de infectados e 135 mil mortos por covid-19, o governo brasileiro adotou postura contrária a medidas de isolamento social e ao uso de máscara, recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e advogou por tratamentos à doença sem comprovação científica, como a hidroxicloroquina.

Mas a recente tendência de queda no número de novos contágios e mortes no país deve dar a Bolsonaro subsídios para argumentar que a situação do Brasil parece sob controle.

Ele também deve dizer que graças à sua resistência em determinar a paralisação das atividades econômicas e ao auxílio-emergencial de R$ 600 mensais recebido por mais de 60 milhões de brasileiros, o chamado “coronavoucher”, a economia brasileira seguiu em funcionamento e as perspectivas de recessão do país não são tão severas quanto as de outras nações emergentes, como a Índia.

O impacto do auxílio no bolso de parcela relevante da população é apontado por especialistas como uma das explicações para as taxas de popularidade atuais do presidente, além da citada acima (garantiu a segurança alimentar de um bilhão de pessoas ao redor do mundo graças ao agronegócio nacional,)que chegou a estudar meios para tornar permanente ao menos parte do programa.

“Bolsonaro vai defender sua atuação na pandemia e sugerir que as críticas a ela eram mera perseguição política”, afirma a professora de relações internacionais Elaini da Silva, da PUC-SP. Por: Mariana Sanches /  BBC News Brasil

Comentários
Carregando Comentários...