Joaquim Barbosa anuncia que não será candidato à Presidência da República

Imagem: G1.com
0 76

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e ministro aposentado do tribunal Joaquim Barbosa anunciou no Twitter que não será candidato à Presidência da República em 2018.

“Está decidido. Após várias semanas de muita reflexão, finalmente cheguei a uma conclusão. Não pretendo ser candidato a Presidente da República. Decisão estritamente pessoal”, postou Barbosa.

Joaquim Barbosa anuncia que não será candidato à Presidência

 

Em abril, o ministro aposentado anunciou sua filiação ao Partido Socialista Brasileiro (PSB). Na ocasião, a legenda disse que iniciaria discussões sobre uma possível candidatura dele à Presidência.
Joaquim Barbosa apareceu na terceira e na quarta colocação em nove cenários de 1º turno da última pesquisa Datafolha de intenção de voto para presidente.

A filiação de Barbosa ao PSB causou desconforto no ex-ministro Aldo Rebelo, que havia se oferecido ao partido como possível candidato ao Planalto. Rebelo acabou deixando a sigla e aderindo ao Solidariedade – legenda pela qual se lançou pré-candidato à Presidência em abril.

“Como havia uma inclinação do partido pela candidatura do ex-ministro, eu preferi naturalmente deixar o partido à vontade. E procurar, já que havia um convite, uma legenda que tem identidade com meu pensamento, com minha trajetória, com os meus valores e com as perspectivas que eu vejo como promissoras para o Brasil”, afirmou Rebelo à época sobre o desligamento do PSB.

Sem Joaquim Barbosa, PSB avalia não apoiar nenhum nome para a Presidência

Com a decisão do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa de não se candidatar ao Palácio do Planalto, cresce no PSB o movimento para que o partido não lance nem apoie nenhum nome na eleição presidencial de outubro.

O efeito prático será a liberação da legenda nos estados para composição de acordos regionais. A avaliação é que, sem Joaquim Barbosa, fica difícil construir internamente um consenso em torno de outro candidato.

Há, também, o reconhecimento de que não há condições de encontrar uma nova candidatura dentro do PSB.
Isso porque um grupo do partido defende a candidatura de Ciro Gomes (PDT). Outra ala, liderada pelo governador de São Paulo, Márcio França, defende o apoio a Geraldo Alckmin (PSDB).

Um terceiro grupo gostaria de apoiar Marina Silva (Rede), candidata do partido à Presidência em 2014 após o acidente que resultou na morte de Eduardo Campos.

Diante do impasse, caciques do partido avaliam que a melhor solução é fortalecer os projetos regionais, tentando ampliar a bancada federal.

“Sem Joaquim, qualquer outro projeto dividiria ainda mais a legenda. Diante disso, o melhor cenário é o ‘liberou geral'”, disse ao blog um dirigente do PSB. Informações do G1.com

Comentários
Carregando Comentários...